"...então, convocando a multidão e juntamente os seus discípulos, (Jesus) disse-lhes: Se alguém quer vir após mim, a si mesmo se negue, tome a sua cruz e siga-me..."
Marcos 8:34


Não é difícil entender o que está registrado no evangelho de Lucas 23:34, Jesus olhando a multidão que estava o condenando a uma morte injusta e tão violenta ora ao Pai dizendo: “...eles não sabem o que fazem...” pois naquele momento eles realmente não sabiam o que estavam fazendo, nem os soldados ou os religiosos, enfim toda a multidão, não sabiam que estavam condenando a morte o autor da vida. Eles pensavam estar dando fim a um “agitador” ou que com aquela morte colocariam fim a uma “seita”, agora olhe ao seu redor e diga sinceramente, eles realmente não faziam idéia do que estavam fazendo, não é mesmo?

Ele foi morto e ressuscitou como prometido, encerrando assim seu penoso trabalho. Jesus, o desejado das nações, a resplandecente estrela da manhã nasceu humilde, viveu sem pecado, mostrou-nos O caminho, foi condenado injustamente, morreu de forma vergonhosa, mas ressuscitou triunfante e foi recebido eu Sua Glória. Tudo isso para que nós hoje pudéssemos ter paz com Deus e O honrar com nossas vidas.

A multidão não sabia o que fazia, e nós? Nós temos consciência da tão grande salvação que nos é proposta? Agimos de forma responsável diante do ministério que nos foi confiado? É certo que nossa mente não conseguirá compreender o que nos está sendo proposto até Aquele dia, nem a mais brilhante imaginação conseguirá chegar perto do que o SENHOR tem preparado para aqueles que O amam, mas isso não tira a responsabilidade que temos diante de um chamado, a grande comissão descrita em Mateus 28:19 e 20.

“Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, do Filho, e do Espírito Santo; ensinando-os a guardar todas as coisas que vos tenho ordenado. E eis que estou convosco todos os dias até à consumação do século.”
Mateus 28:19 e 20

É uma honra atender a este chamado. Homens que antes eram inimigos de Deus, mortos em seus pecados, hoje em Cristo, podem não apenas se considerar salvos, mas têm o privilégio de levar outros aos pés da cruz. O ministério da reconciliação é sobrenaturalmente gratificante, é para aqueles que querem mais, para aqueles que têm sede e fome de justiça e que não se conformam com este século.

A responsabilidade do ministério da reconciliação vem junto com a salvação, alguns podem até tentar viver como se esta responsabilidade não existisse ou fosse apenas para alguns “coitadinhos” missionários escolhidos. Estes que assim pensam, dormem dentro das igrejas por considerar muito difícil se comprometer com a propagação do Reino, alguns deixam de viver experiências únicas com o próprio Espírito de Deus sem saber que o bom mesmo da festa está em servir e não em ser servido.

Quando reconhecemos a responsabilidade que nos foi entregue, de ganhar novas vidas para Cristo, começamos a notar que nossas ações ganham um propósito muito maior, um tarefa simples como ir a padaria pela manhã se torna uma “viajem missionária” em potencial, Deus não escolhe lugar para agir por isso podemos sempre aguardar que Sua graça se manifeste através de nós no ministério da reconciliação, e assim estamos cumprindo o “ide”, estamos entrando com ousadia no Santo dos Santos. Para estes que assumem a responsabilidade de levar sobre si o peso do nome que está sobre todo nome, para estes é revelado a razão pela qual Jesus disse que Seu jugo é suave e o Seu fardo é leve (Mateus 11:30).

ORAÇÃO:
Tomamos consciência da responsabilidade que nos foi entregue sabendo que o SENHOR está conosco até à consumação do século.

“...quem sai andando e chorando, enquanto semeia, voltará com júbilo, trazendo os seus feixes...”
Salmos 126:06